PIS ainda tem R$ 23,5 bi para serem sacados por trabalhadores

Quem trabalhou com carteira assinada no período de 1971 a 4 de outubro de 1988 podem ter cotas do PIS para sacar na Caixa Econômica. Herdeiros de trabalhadores que tiveram emprego formal neste período também podem ter dinheiro para receber. No país, são 10,6 milhões de beneficiários que ainda têm cotas do PIS/Pasep a receber, o que soma um total de R$ 23,5 bilhões esquecidos, segundo dados de novembro fornecidos pela Caixa Econômica.

Todos os trabalhadores que têm dinheiro esquecido podem sacar a cota pelo aplicativo FGTS, independentemente da idade. O valor pode ser sacado por beneficiários que ainda não retiraram a cota do Pasep no Banco do Brasil, para quem era servidor público no período, ou do PIS na Caixa Econômica Federal, e que tiveram os valores transferidos ao FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

Se o beneficiário morreu, o saldo pode ser retirado pelos herdeiros. Segundo a Caixa, foram sacados R$ 350,2 milhões por 244,8 mil trabalhadores ou herdeiros desde a migração do PIS/Pasep para o FGTS até novembro de 2021.

As cotas são um benefício do antigo fundo PIS/Pasep, que foi incorporado pelo FGTS. O dinheiro existe porque até 1988 os empregadores fizeram contribuições recebidas pelo Fundo de Participação PIS/Pasep, que distribuía valores aos empregados na forma de cotas proporcionais ao salário e tempo de serviço.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.