Netinho defende Bolsonaro e Manno Góes dispara: ‘Bicha burra’

O clima esquentou entre os artistas baianos. Após Daniela Mercury escrever uma carta aberta ao presidente Jair Bolsonaro (PSL), sobre a Lei Rouanet, a ‘Rainha Má’ foi criticada indiretamente pelo cantor Netinho, que por sua vez recebeu uma alfinetada daquelas do músico Manno Góes.

Em seu perfil no Instagram, o intérprete da canção Milla, de autoria de Manno Góes, manifestou seu apoio ao atual presidente. “Eu nunca usei Lei Rouanet, nem quero. #EleSim me recebeu respeitosamente e não fui lá pedir nada, reclamar nada. Fui lá apenas para dizer a ele que se recuperaria da facada que recebeu”, escreveu.

Foto: TV Globo

O que ele não esperava era uma resposta do ex-amigo, Manno, que através do seu perfil no Facebook pediu para que Netinho não o chamasse mais de amigo.

“Desculpa aí, galera; mas a Milla que eu compus é Daniela Mercury futebol clube, tá? A Milla da música é amor! É liberdade! É diversidade! Jamais seria tortura, homofobia, xenofobia, preconceito. Jamais seria ligada à milícia ou laranjas. A música ‘Milla’ tem que estar conectada ao lúdico, alegre, divertido, adolescente, amoroso… jamais a essas pessoas horríveis que admiram Bolsonaro e criticam colegas de trabalho por pura maldade, inveja ou burrice. A Milla fala de mil e uma noites de amor. De alto-astral. De uma lembrança boa e inesquecível; às vezes dolorosa como ferida aberta; eterna como tatuagem. Eu compus essa música quando era militante do PV (quando o PV era um partido de esquerda). Eu andava de bata. Fumava maconha e queria ser professor de história. Milla jamais seria composta por um admirador de Bolsonaro”.

Em seu desabafo, Manno diz que Netinho se tornou uma vergonha para a música e é um exemplo de retrocesso por conta do seu posicionamento.

“Milla é minha. É minha alma. Sou eu falando. Tem muito amor e cumplicidade na história dessa música. Que nos enriqueceu. E minha maior riqueza é ouvir Milla sendo tocada e cantada até hoje. Milla é mais que uma música; é uma história. Que teve em Netinho, um homossexual não assumido-gente-boa, uma voz. Não um reaça. Não esse cara de hoje. O problema não é nem ele ter votado em Bozo. Conheço um monte de gente que votou naquele imbecil. Milla pode alegrar o coração até de quem votou em Bozo. O problema de Netinho é o que ele virou. Um rapaz que rebate sua colega de profissão, Daniela, com memes e ironias, por ela querer defender o diálogo. Um rapaz que virou um constrangimento. Um outdoor de vergonha e retrocesso medieval. Esse rapaz de hoje jamais faria sucesso com Milla. Para ele, a história de Milla ficou pra trás”.

No texto, o ex-músico do Jammil proíbe que Netinho regrave Milla ou Pra Te Ter Aqui, composições dele que fizeram sucesso na voz do baiano.  E por fim, após ter chamado o artista de homossexual não assumido, concluiu o texto chamando o ex-amigo de ‘Bicha burra’.

“A Milla da música não tem nada haver com o personagem constrangedor que Netinho virou. Que NUNCA MAIS vai gravar Milla, ou Pra Te Ter Aqui, ou qualquer coisa que eu compuser. Não quero estar perto dessa gente que posa de gente, que fala de um Deus malvado, que apoia Ustra! Qual o sentimento que é pra gente ter sobre Netinho? Pena, constrangimento ou vergonha alheia? Naufrague com sua maldade, Netinho. Se achasse que você só está ainda doente, não te escreveria isso. Você está são e completamente conectado com esse governo inacreditavelmente perverso. Nao me chame de amigo. Não sou seu amigo. Não quero mais ser seu amigo. Você não merece Milla. Bicha burra”.

Bahia.BA


One thought on “Netinho defende Bolsonaro e Manno Góes dispara: ‘Bicha burra’

  • março 7, 2019 at 7:00 pm
    Permalink

    Netinho é uma eterna decepção. Sempre foi um sujeito ridículo.
    Surge no carnaval da Bahia como o “bombadinho” pegador.
    Sempre tive certeza de que ele era homossexual,o vulgarmente chamado na Bahia de VIADO. Mas isso não me incomodava,me incomodava a pose dele de “machão” bombado pegador.
    Pois foram as bombas,os ANABOLIZANTES que lhe fuderam a saúde e puseram fim a sua carreira.
    Carreira essa construída em boa parte graças a musicas de autoria de Mano Góes.
    Agora Netinha ressurge das sombras com essa postura fascistoide metido a defensor de um presidente que claramente e declaradamente odeia o que Netinho é : “VIADO”.
    Viados enrustidos ou com síndrome de Estocolmo. Viados que cercam um sujeito que diz claramente que eles deveriam morrer,ou serem surrados até se tornarem “homens” ou morrer.
    Agora Netinho ataca Daniela Mercury,tentando defender seu ídolo Jair Bolsonaro.
    A carta de Mano Góes endereçada a Netinho, se não foi didática e acertada em cada palavra,foi no mínimo um desabafo sincero do qual eu concordo em gênero numero e grau.
    Manu Góes tem razão,Netinho se tornou isso,nada além do que Bolsonaro desdenha,nada além de uma bicha fascista que não se reconhece e que lambe os pés de quem lhe chuta e prega seu extermínio.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *