Geddel: Acusado de desvios desde 1983, em seu primeiro cargo público

SÃO PAULO – Aos 25 anos, recém- saído da faculdade de Administração de Empresas, Geddel Vieira Lima assumia seu primeiro cargo público. Era 1983, e ele foi indicado para o posto de diretor da corretora de valores do Banco Estadual da Bahia (Bandeb). Começava ali também uma sucessão de denúncias de corrupção contra o ex-ministro, preso na sexta-feira pela Polícia Federal, que lhe renderia os apelidos de “Geddel 20%”, “agatunado” e “boca de jacaré”, em referência ao “grande apetite por negociatas”, segundo explicação de um político baiano.

Bastou um ano para uma auditoria interna do Bandeb mostrar um desvio de cerca de R$ 2,7 milhões (em valores atualizados) da corretora, fruto de um esquema que teria beneficiado Geddel, seu irmão, o hoje deputado Lúcio Vieira Lima, seu pai, o ex-deputado Afrísio Vieira Lima, e sua mãe, Marluce. Todos os envolvidos negam a acusação de que usaram o banco público para ter rendimentos acima das taxas de mercado. A única punição a Geddel foi a demissão, em 1984.

Após uma série de outras indicações políticas, Geddel foi eleito deputado federal em 1990. O ex-senador Antônio Carlos Magalhães, desafeto da família Vieira Lima, costumava dizer que a campanha foi paga com dinheiro desviado por Afrísio de um fundo destinado a comprar equipamentos para a Polícia Civil (Funresp) — o pai de Geddel fora secretário estadual de Segurança Pública antes de ACM assumir o governo baiano.

Já em seu primeiro mandato na Câmara, Geddel foi citado no escândalo dos “Anões do Orçamento”, acusado, assim como outros parlamentares, de manipular emendas para beneficiar empreiteiras. A CPI que investigou o caso, em 1993, o absolveu.

Sem ter sido prefeito de capital nem governador, Geddel construiu sua base na política do estado aproveitando a herança do pai, que gozava de influência por ter comandado a Companhia das Docas, e alianças com prefeitos turbinadas por contratos assinados em sua passagem pelo Ministro da Integração Nacional.

fonte=o GLOBO

2 thoughts on “Geddel: Acusado de desvios desde 1983, em seu primeiro cargo público

  • setembro 9, 2017 at 7:32 pm
    Permalink

    Lamentável que o ser humano se tornam hambiciosos a ponto de esquecer que a vida tem outros valores, tão importantes quanto o poder aquisitivo, o poder de autoridades sem precisar substimar ou afrontar a capacidade de inteligência dos eleitores, da sociedade e da justiça, onde vamos parar?!!!

    Reply
  • outubro 1, 2017 at 2:05 pm
    Permalink

    Infelizmente a vida pública no Brasil se tornou terreno fértil para canalhas vagabundos e ladrões a exemplo de GEDEL LULA CABRAL CUNHA DILMA MICHEL TEMER SARNEY RENAL CALHEIROS PALCO ODEBRECHET NIKE BATISTA JOSÉ BATISTAS TANTOS OUTROS.
    TEM QUE SE IMPLANTAR PENA DE MORTE PARA O LADRÃO DO DINHEIRO PUBLICO QUE É SAGRADO.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *