EQUIPE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FAZ EXPEDIÇÃO AO ‘BURACO DO INFERNO’ EM SÃO DESIDÉRIO

Trabalho inédito foi realizado para monitorar os níveis de vibração provocados por veículos que passam por cima da maior caverna de São Desidério
 
Uma equipe de pesquisadores da Universidade Federal do Paraná que atuam no Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura (UFPR/ITTI) realizou uma expedição inédita a caverna Buraco do Inferno da Lagoa do Cemitério, localizada no município de São Desidério/BA, para observar os impactos provocados pela passagem de veículos sobre as cavidades da região interceptada pela BR-135 BA/MG.
O grupo formado por biólogos, engenheiros e estudantes adentrou a mais de 2,8 mil metros pelo interior da principal caverna da região, para instalar dois sismógrafos (aparelho que mede ondas de vibrações e terremotos) exatamente onde a caverna é interceptada pela rodovia federal.
Outros quatro sismógrafos também foram instalados na superfície, sobre a caverna, em diferentes distâncias da rodovia ainda sem pavimentação BR-135/BA, para que os pesquisadores pudessem comparar os registros das vibrações ocasionadas pela passagem de veículos e sua influência nas paredes da cavidade. As medições foram realizadas durante 72 horas ininterruptas.
A expedição foi acompanhada por um guia local devido à dificuldade de deslocamento dentro da caverna, onde não há visibilidade alguma. “O ambiente quente, úmido, com pouca visibilidade e luminosidade dificultou o trabalho de transporte e colocação dos equipamentos, mas conseguimos fazer as medições com sucesso”, explicou o biólogo da UFPR/ITTI, Durval Nascimento Neto.
O pesquisador ressalta que o trabalho atendeu às normas e diretrizes estabelecidas nas recomendações do Centro Nacional de Pesquisas e Conservação de Cavernas (Cecav) do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), quanto às orientações básicas para a realização de estudos ambientais denominado: Sismografia Aplicada à Proteção do Patrimônio Espeleológico – Contribuição Técnica à Análise de Estudos Ambientais e Orientações Básicas à Realização de Estudos Ambientais.
 
Resultados
 
De acordo com Neto, os resultados das medições no contexto geológico demostraram que as vibrações foram registradas apenas a poucos metros da estrada sem pavimentação e que foram diminuindo até serem completamente anuladas pelas camadas de solo e rocha (arenito e calcário) que absorvem toda a vibração, protegendo estruturalmente o patrimônio espeleológico.
“A medição comprovou a tese de que não há nenhum impacto negativo ocasionado pela passagem e vibração provocada pelos veículos de transporte de cargas e passageiros sobre esta cavidade. As vibrações tendem a ser reduzidas nas camadas superficiais com a pavimentação da estrada”, afirma o biólogoOs resultados serão encaminhados para o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) e para o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit)
Pesquisa
 
A pesquisa na região de São Desidério integra a elaboração dos estudos ambientais realizados pela UFPR/ITTI e que são necessários para o licenciamento das obras de pavimentação da BR-135/BA. O trabalho é feito em cooperação com o Dnit.

 

O trabalho inédito também faz parte dos estudos realizados pelo biólogo em sua tese de doutorado em Geologia pela UFPR, sendo seu objeto de estudo a determinação da real área de proteção estrutural das cavidades em áreas cársticas.

2 thoughts on “EQUIPE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FAZ EXPEDIÇÃO AO ‘BURACO DO INFERNO’ EM SÃO DESIDÉRIO

  • julho 11, 2018 at 11:58 pm
    Permalink

    Ah meu Deus! Incrível! Muito obrigado, no entanto estou tendo problemas com seu RSS.
    Não entender por que Eu não posso junção isso.
    Há ninguém tendo semelhante RSS problemas?
    Alguém quem sabe a resposta você pode gentilmente responder?
    Obrigado!

    Reply
  • julho 22, 2018 at 12:51 am
    Permalink

    Eu gosto olhando através de um artigo que pode fazer homens
    e mulheres pensa. Também, Obrigado por permitindo mim comentar!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *