PREFEITO ESPALHA MENSAGEM CONTRA EX-ASSESSOR NEGRO

Em tempos de luta contra o racismo e a homofobia, o prefeito de Bom Jesus da Lapa, no oeste baiano, e presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB), Eures Ribeiro, atua na contramão da história. Através do WhatsApp, ele tem compartilhado mensagens de teor preconceituoso, disseminando ódio contra um ex-servidor da sua gestão.
As mensagens foram gravadas por um funcionário da Secretaria Municipal de Ação Social, supostamente a pedido do gestor, após seu antigo assessor ter entregue o cargo e rompido politicamente com ele. O conteúdo das mensagens, que têm circulado amplamente em grupos do WhatsApp, usa termos pejorativos se referindo à raça e à sexualidade da vítima, Gedson Nascimento, que prestou queixa na Delegacia da cidade.
Gedson também usou as redes sociais para se defender. Ele gravou um vídeo acusando o prefeito de ser o mentor intelectual dos ataques. Em seguida, postou prints de umas conversas onde Ribeiro convocava amigos e funcionários da prefeitura a compartilhar os áudios que denigrem a sua imagem e ainda o ameaça de morte.
“Eu prestei uma queixa contra o servidor que empresta sua voz para tanta baixaria, mas sei que ao fazer isso ele está defendendo seu cargo, porque esse é o jeito Eures de administrar: coagindo e constrangendo as pessoas. Mas sei que a ideia partiu da cabeça do prefeito e tudo isso teve a sua conivência, tanto que o rapaz que gravou os áudios e espalhou pela cidade diz que está falando diretamente da residência do poder, em alusão à casa do prefeito. O próprio saiu convocando funcionários para espalhar o conteúdo. Muitas pessoas a quem ele abordou com esse pedido me procuraram para se solidarizar comigo, porque as mensagens são muito baixas, com adjetivos horrorosos. Apesar de ter me atingido, me ferido profundamente, eu só levei essa história adiante por causa da minha família que não merecia ouvir aquilo. Minha mãe passou mal. Então, resolvi dar um basta nisso, em respeito a todos os negros, a todos os pobres, a toda população LGBT e todas as pessoas que se sentiram ofendidas pelos áudios difamatórios”, esclarece.
Entre os adjetivo usados para desqualificar o ex-assessor do prefeito estão “preta feia” e “bicha”, além de uma enxurrada de acusações caluniosas. Gedson disse que teme pela própria vida, pois sabe do que ele é capaz. No áudio, o servidor Iaci Albuquerque ainda ameaça dar uma surra em via pública e escorraçá-lo da cidade, o chamando de forasteiro, numa clara manifestação de intolerância.
A vítima disse que levará o caso até a última instância, já que os áudios prejudicaram a sua vida pessoal e profissional. “Eu fiquei muito constrangido porque muitas pessoas passaram a me apontar, a me julgar é isso mexeu muito com a minha autoestima, mas também contei com o apoio e o carinho de muitas pessoas que me conhecem e sabem que nenhuma daquelas acusações procedem. Muitas pessoas criticaram ele pelo ato racista e baixo”, explica.
Fonte: Ascom Neto Magalhães
Postagem: Joelton Britto
Alô Alô Salomão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *