Conheça as mulheres que ocupam o Baralho do Crime

Além do envolvimento com o tráfico de drogas e com organizações criminosas, as duas mulheres que atualmente integram o Baralho do Crime da Secretaria da Segurança Pública – ferramenta criada para estimular a participação da população na busca dos bandidos mais perigosos da Bahia – têm mais um fator em comum: a herança do tráfico deixada pelos ex-maridos. 

 Dupla de procuradas herdou as lideranças do tráfico após mortes dos companheiros em confrontos com policiais.

Marisângela Soares de Sousa, 36 anos, a ‘Mari’, 10 de Copas, procurada por tráfico de drogas com atuação no bairro de Cidade Nova, passou a liderar a venda de entorpecentes na região após a morte do marido, o traficante Eberson Souza Santos, conhecido como ‘Piti’, na cidade de Candeias, Região Metropolitana de Salvador, em agosto de 2007, após enfrentamento com a polícia. 

 “Com a morte de ‘Piti’ ela herdou as atividades não só em Cidade Nova, mas também nas regiões de Pau Miúdo, Iapi, Santa Monica. Com certeza ‘Mari’ é alvo importante da polícia já que comanda uma organização criminosa”, declarou o diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), José Bezerra. 

 Dupla de procuradas herdou as lideranças do tráfico após mortes dos companheiros em confrontos com policiais.

O caso se repete com a Dama de Copas, Jasiane Silva Teixeira, conhecida como ‘Dona Maria’, que é procurada por tráfico de drogas e homicídio com atuação na cidade de Vitória da Conquista, sudoeste do estado. 

 Dupla de procuradas herdou as lideranças do tráfico após mortes dos companheiros em confrontos com policiais.

Viúva do traficante e homicida Bruno de Jesus Camilo, o ‘Pezão’ – morto na cidade de Porto Seguro, em 2014, durante confronto com policiais civis – ‘Dona Maria’ passou a substituí-lo no gerenciamento do tráfico do município conquistense. 

 Outras duas mulheres já passaram pelo Baralho do Crime. Para conhecer os criminosos mais procurados do estado e contribuir com o trabalho da SSP na captura dos foragidos basta acessar o link http://disquedenuncia.com/baralho-do-crime/ e, caso reconheça algum deles, ligar para o Disque Denúncia através dos telefones (71) 3235-0000, para ligações realizadas em Salvador e Região Metropolitana, ou no 181 para as outras cidades baianas. 

Fonte: Ascom / Silvânia Nascimento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *