Com 14 toneladas de drogas apreendidas, SSP aponta que setembro foi mês mais produtivo

Com mais de sete toneladas de drogas, entre maconha, cocaína e crack, recolhidas em setembro deste ano, este foi considerado o mês mais produtivo para a polícia baiana. Ao longo de todo o ano, mais de 14 toneladas de drogas foram localizadas nas mãos de quadrilhas. O crescimento nos índices de apreensão já foi notado em agosto, quando aproximadamente 3,8 toneladas foram recolhidas. Para a Secretaria de Segurança Pública (SSP), esse crescimento é resultado de inúmeras operações desenvolvidas de forma integrada pelas polícias Civil, Militar e Federal, além da Força-Tarefa da SSP. “Conseguimos afinar o trabalho e atuar de uma forma que todas as instituições conseguem contribuir, dentro de suas atribuições, resultando em ações rápidas e certeiras.

Estão todos de parabéns”, afirma o secretário da pasta, Maurício Barbosa. As apreensões de setembro ocorreram em diversas partes do Estado, principalmente em Salvador e na Região Metropolitana. A mais recente aconteceu na última sexta-feira (29), com a apreensão de 700 quilos de maconha em meio à operação do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), no bairro Gabriela, em Feira de Santana. “Só esta ação representou um prejuízo de R$ 300 mil ao tráfico”, destacou o diretor do Draco, delegado Marcelo Sansão. Também houve grandes apreensões em Lauro de Freitas e em alguns bairros de Salvador.

Em uma operação conjunta entre a Polícia Federal (PF), Força Tarefa da Secretaria da SSP e o Comando de Policiamento Especializado (CPE) foram encontradas quase quatro toneladas de maconha escondidas em um galpão na RMS e em um matagal, no bairro de Cajazeiras. Para o coordenador da Força-Tarefa, major Marcelo Barreto, a troca contínua de informações entre as polícias e a contribuição mútua das instituições têm aprimorado o desenvolvimento das operações.  Já o comandante do CPE da Polícia Militar, coronel Humberto Sturaro, pontua a efetividade na localização de plantações de maconha espalhadas no Estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *