Após 22 anos da morte de PC Farias e namorada, Justiça de Alagoas nega última apelação sem condenar ninguém

O TJ-AL (Tribunal de Justiça de Alagoas) negou a última apelação possível para reverter a decisão que inocentou os acusados e, depois de 22 anos do assassinato que abalou a República, colocou um ponto final ao caso Paulo César Farias. Ex-tesoureiro da campanha de Fernando Collor de Mello em 1989, PC Farias (como era conhecido) e sua namorada, Suzana Marcolino, foram achados mortos na casa de praia no bairro de Guaxuma, litoral norte de Maceió, em 23 de junho de 1996.

 Ninguém nunca foi condenado pelas mortes, mesmo após a tese de duplo homicídio ter sido apontada em perícia e reconhecida em júri popular. O caso se arrastou por quase 18 anos até que a denúncia contra os quatro polia denúncia contra os quatro policiais que faziam segurança na hora do crime foi apreciada em júri, em maio de 2013.

 Os ex-seguranças Adeildo Costa dos Santos, Josemar Faustino dos Santos, José Geraldo da Silva e Reinaldo Correia de Lima Filho responderam por duplo homicídio triplamente qualificado. Eles foram inocentados por clemência, quando os jurados reconhecem a existência dos crimes acusados, mas decidem não punir os réus.

Não há argumentação, eles apenas marcam uma opção dentro de um questionário. A denúncia também não trouxe à luz nenhum mandante. Hoje, Adeildo, Josemar e Geraldo estão aposentados pela Polícia Militar. Somente Reinaldo continua na ativa na instituição em Alagoas

Fonte – UOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *