Nuno Cobra, ex-preparador de Ayrton Senna, é preso suspeito de abusar sexualmente de mulher em SP

preparador físico Nuno Cobra, de 79 anos, foi preso nesta segunda-feira (11) suspeito de abusar sexualmente de uma mulher em agosto deste ano em São Paulo, informou o Ministério Público Federal (MPF). Ele foi levado para a sede da Justiça Federal Criminal e passava nesta tarde por audiência de custódia.

Cobra ficou famoso após começar a cuidar da preparação física do piloto Ayrton Senna, em 1983. O G1 procurou a defesa do preparador físico e aguarda retorno.

Na semana passada, a Procuradoria em São Paulo tinha pedido a condenação de Cobra por outro crime de violação sexual que ele cometeu durante um voo que fez escala no aeroporto de Congonhas, na Zona Sul da Capital, em 2015. Como o crime se deu no espaço aéreo, o caso está na Justiça Federal e ainda não foi julgado.

A assessoria de imprensa do MPF informou que Cobra foi preso nesta segunda porque reiterou o mesmo crime denunciado em 2015.

Nuno Cobra ganhou notoriedade como preparador físico do tricampeão mundial de F-1 Ayrton Senna (Foto: TV Globo/Reprodução)Nuno Cobra ganhou notoriedade como preparador físico do tricampeão mundial de F-1 Ayrton Senna (Foto: TV Globo/Reprodução)

Nuno Cobra ganhou notoriedade como preparador físico do tricampeão mundial de F-1 Ayrton Senna (Foto: TV Globo/Reprodução)

Segundo a assessoria de imprensa do MPF, Cobra atacou, em agosto deste ano, uma profissional de imprensa após uma entrevista, em São Paulo. Com microfone desligado, ele pegou nas nádegas da apresentadora na hora de se despedir dela. Em seguida, teve uma ereção e a mulher tentou se afastar.

Ainda de acordo com o MPF, Cobra disse ao colega de bancada da mulher que era assim que se abraçava uma pessoa. O nome da vítima e a emissora onde ela trabalha não foram divulgados.

Cobra se formou na Escola de Educação Física de São Carlos e fez pós-graduação pela Universidade de São Paulo (USP). Escreveu o livro “A Semente da Vitória”. Além de Ayrton Senna, na década de 1990 ele foi instrutor dos pilotos Christian Fittipaldi, Rubens Barrichello, Mika Hakkinen, entre outros esportistas.

Crime em voo

Sobre o crime ocorrido em 2015, uma vítima e uma testemunha disseram à polícia, na ocasião, que Cobra sentou-se ao lado da vítima e passou a conversar e dizer que trabalhava com o corpo e manipulação de energias.

Na decolagem, ele passou a tocar os seios e pernas da mulher várias vezes e dizer que o formato do corpo dela despertava pontos energéticos que não sentia havia muito tempo.

No fim da decolagem, a vítima escapou do agressor, se levantou e correu até a equipe de bordo. Ela foi mantida distante do preparador físico durante o resto do voo. Quando a aeronave pousou em Congonhas para uma conexão, a vítima esperou todos os passageiros descerem para ir até a delegacia da Polícia Federal (PF) relatar o crime.

G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *