Gestores públicos, empresários, sindicalistas e pesquisadores debatem projetos para a Bahia

Reunião dos segmentos do CODES abordou propostas do PDI Bahia 2035, PPA 2020-2023, Plano Regional de Desenvolvimento e Consórcio Nordeste.

Os projetos que compõem os diferentes instrumentos de planejamento para o futuro da Bahia e do Nordeste foram tema da última reunião de 2019 do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (Codes), realizada na quarta-feira, 4 de dezembro, na sede da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb), em Salvador. Entre os participantes estiveram presentes representantes das universidades estaduais e federais, institutos federais de ensino, centrais sindicais, segmentos empresariais, municípios e consórcios públicos, além de gestores de diversos órgãos do Estado.

No evento, a Coordenação Executiva do Codes apresentou propostas que integrarão o Caderno de Projetos e Investimentos do Plano de Desenvolvimento Integrado (PDI Bahia 2035), elaborado pelo Governo do Estado, sob a coordenação da Secretaria do Planejamento (Seplan) e da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), com articulação institucional do próprio Codes.

O foco principal foram os projetos já articulados ao Plano Plurianual Estadual (PPA) 2020-2023 e ao Projeto de Lei nº 6163/2019, em tramitação no Congresso Nacional, que institui o Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE), consolidado pelos gestores do nove Estados nordestinos junto à Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), órgão vinculado ao Ministério do Desenvolvimento Regional.

Consórcio Nordeste – A reunião do Codes contou ainda com apresentação dos primeiros resultados e perspectivas do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste (Consórcio Nordeste). O chefe de gabinete do Consórcio, Glauber Piva, relatou as articulações feitas durante a viagem que os governadores nordestinos fizeram à França, Itália e Alemanha no mês de novembro para atração de investimentos e parcerias com as instituições europeias.

Piva destacou também o resultado da primeira licitação conjunta dos Estados, que resultou numa economia de 30% na compra de medicamentos, e os projetos que serão implementados nas áreas de infraestrutura, segurança pública e conectividade, entre outros. Ele afirmou ainda que um novo edital para compra de suprimentos para a educação nos nove estados já está em elaboração.

Prioridades – O coordenador executivo do Codes, Jonas Paulo, ressaltou alguns investimentos prioritários para destravar a economia e alavancar o desenvolvimento. Um dos destaques foi a ampliação da energia renovável, com novos empreendimentos de fonte eólica, solar e biomassa, reduzindo a necessidade de energia hidrelétrica, principalmente o uso do Rio São Francisco. “Só que não basta implantar parques de energia renovável. Temos que consolidar a cadeia de indústrias de equipamentos para o setor, barateando os custos, inclusive para geração distribuída de energia fotovoltaica”, disse.

“Também estamos trabalhando para termos ônibus elétricos nas linhas metropolitanas, mas não queremos apenas comprar os veículos, precisamos que a fabricação destes veículos seja feita na Bahia”, afirmou Jonas Paulo, que salientou também os investimentos na área de tecnologia para a segurança pública, cujos editais para a contratação de serviços para a expansão do sistema de vídeo-monitoramento e integração digital de todos os centros de inteligência da polícia serão lançados no início de 2020.

O coordenador do Codes destacou ainda que a agropecuária baiana continua sendo um dos setores prioritários, não só a expansão do agronegócio de grãos do Oeste baiano e celulose do Extremo Sul, mas da agricultura familiar, que tem crescido em oportunidades de exportação, como as produções de mel, frutas, cacau, caprinovinos, sisal entre outros.

POR- Leonardo Leão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *