Outros três macacos são achados mortos em Salvador; balanço aponta seis em dois dias

Três macacos foram encontrados mortos em Salvador, nesta sexta-feira (26). Os animais estavam nos bairros do Garcia, Sussuarana e Valéria. As informações foram divulgadas pela prefeitura. Os endereços não foram detalhados.

Este é o segundo registro de macacos mortos na capital baiana em dois dias. Na quinta-feira (25), outros três animais foram encontrados mortos. Dois deles estavam no bairro da Ondina e o outro foi achado em Castelo Branco.

De acordo com a prefeitura, assim como os macacos encontrados na quinta, os animais desta sexta foram encminhados para o Laboratório Central de Saúde Pública Profº Gonçalo Muniz (Lacen), em Brotas, onde serão realizados exames para identificar as causas das mortes. Ainda não há informações sobre o resultado dos exames.

De acordo com a prefeitura, é preciso tomar alguns cuidados quando encontrar um macaco morto ou ferido, porque ele pode estar infectado pelo vírus da febre amarela ou pelo vírus da raiva. A recomendação é de que a pessoa entre em contato com a Guarda Civil, através da Central de Operações, no telefone (71) 3202-5312.

Alerta

Conforme a prefeitura, os cidadãos não devem matar os animais, pois eles não transmitem o vírus da febre amarela, doença que tem como vetor o mosquito Aedes aegypti, o mesmo causador da dengue, zika e chikungunya. O macaco é um sentinela da doença – ou seja, indica quando ela está presente.

Segundo a prefeitura, ao matar um macaco, a pessoa pode responder por maus tratos e ser enquadrada no artigo 29 da Lei 9605/98 – Lei de crimes ambientais, com pena de detenção de seis meses a um ano, além de multa.

Aqueles animais encontrados ainda vivos, mas debilitados, são soltos na natureza após a realização de todos os exames necessários durante o período da quarentena, atestando boa saúde.

Vacinação

De acordo com a prefeitura, a vacinação contra febre amarela acontece de segunda a sexta-feira (exceto feriados), das 8h às 17h, em todas 126 salas de vacina da rede municipal.

G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *